BLOG

22 de setembro de 2020

Doutor, pode me explicar?

Muitas vezes, os médicos em geral usam termos técnicos complexos e um pouco difíceis de compreender. Por isso, elaboramos uma seleção com algumas das palavras mais utilizadas pelos nossos oftalmologistas em consultas de rotina. Confira e tire suas dúvidas!
Acomodação
Mecanismo fisiológico que permite ao órgão visual adaptação necessária para que tenha uma visão nítida a diversas distâncias.
Agudeza visual
Também denominada como acuidade visual, trata-se da capacidade da visão de transformar estímulos luminosos em ima-
gens, permitindo, assim, sua identificação e localização.
Alinhamento
Posição normal dos olhos; direcionados para um mesmo ponto no espaço: para longe, eles devem estar paralelos um ao
outro, e para perto, convergem.
Anomalias de refração
Também conhecidas como vícios ou erros de refração, as anomalias resultam do fato de o olho não conseguir focalizar no
plano da retina os estímulos recebidos. Com isso, as imagens projetadas perdem a nitidez e geram desconfortos. As anomalias de refração são classificadas em: miopia, hipermetropia, astigmatismo e presbiopia.
Astigmatismo
Caracterizado como um erro refrativo, trata-se de uma deficiência visual em que a luz que penetra no olho não é focalizada em um plano único, gerando deformações na imagem ou um duplo contorno destas. O uso de óculos, lentes de contato ou cirurgia podem corrigir o astigmatismo.
Cirurgia refrativa
Trata-se de um procedimento cirúrgico no qual são feitas incisões na córnea, modificando sua superfície e sua curvatura
para corrigir erros refrativos como miopia, hipermetropia, astigmatismo e presbiopia.
Conjuntiva
Membrana transparente que reveste a parte interna das pálpebras e que cobre a esclerótica (o branco do olho), funcionando como uma barreira contra infecções.
Corpo ciliar
Localizado atrás da íris, ele é responsável pela formação do humor aquoso e pela acomodação, ou seja, mobilidade do
cristalino (lente natural dos olhos).
Cover test
Conhecido também como Teste de Cobertura, trata-se de um exame que permite diagnosticar o estrabismo, mesmo
que este ainda esteja em fase latente, ou seja, ainda não se manifeste.
Desvio alternante
É aquele em que o paciente ora desvia o olho direito, ora o esquerdo.
Desvio constante
Desvio ocular que se manifesta permanentemente.
Desvio convergente
Também chamado de endodesvio ou esodesvio, ocorre em um ou ambos os olhos quando estes aparecem desviados
para o nariz, ainda que olhando para longe (quando deveriam ficar paralelos).
Desvio divergente
O mesmo que exodesvio. Ocorre quando um ou ambos os olhos aparecem desviados para a orelha, ainda que olhando para perto (quando deveriam estar convergentes).
Desvio intermitente
É o desvio que aparece de forma irregular.
Desvio latente
Chamamos de desvio latente a perda de alinhamento dos olhos que não aparece de imediato, sendo identificado apenas através do Cover Test ou Teste de Cobertura.
Desvio manifesto
Também chamado de estrabismo, tropia ou, na linguagem comum, “vesguice”, ocorre quando um ou ambos os olhos aparecem fora do alinhamento.
Desvio monocular
O desvio ocorre apenas em um dos olhos.
Desvios verticais
Ocorre enquanto um dos olhos está fixando e o outro aparece desviado. Se for para cima, é denominado de hiperdesvio, e para baixo, hipodesvio.
Desvios oculares
Também chamado de estrabismo, trata-se de um distúrbio que afeta o paralelismo entre os olhos, deixando-os sem alinhamento.
Fonte: Revista Veja Bem