Doenças oculares

CRISTALINO

 

Lentes Intra-oculares - LIOs

Criadas em 1949, pelo médico inglês Harold Ridley, as lentes intra-oculares passaram por um longo período evolutivo até chegar aos modelos mais utilizados hoje: polimetilmetacrilato (PMMA), silicone e acrílico, dentre outros. Diferente das lentes de contato, as LIOs são colocadas internamente no olho e, por isso proporcionam maior qualidade de visão.


MODELOS DE LIOS


A LIO está presente no mercado sob as formas de peça única e rígida, peça única e dobrável ou ainda composta por três peças. As dobráveis têm como principal vantagem o fato de exigir mínima incisão (entre 3,2 e 3,5 mm) ao serem introduzidas. Elas são implantadas após remoção automatizada do cristalino opaco, processo que normalmente não necessita de suturas.


Os principais benefícios da incisão menor (facoemulsificação) são a cicatrização e recuperação mais rápidas, com menos traumas aos olhos, melhor visão, retorno mais rápido às atividades cotidianas e maior controle do astigmatismo induzido pela cirurgia.


Já as lentes não dobráveis são implantadas após a remoção não automatizada do cristalino opaco. O procedimento pode requerer suturas para fechamento da incisão (entre 5 e 7 mm). São pouco utilizadas pelo fato de exigirem maior tempo de recuperação.


As LIOs se dividem, ainda, em lentes monofocais e as multifocais. Sendo as últimas mais indicadas por permitirem a correção total da visão tanto para longe quanto para perto, capazes de tornar a maioria dos pacientes definitivamente independentes dos óculos. Além disso, lentes com tecnologia difrativa e refrativa simultâneas, também reduzem fenômenos como glare (manchas brancas na imagem) e halo (anéis luminosos), associados à visão noturna, reduzindo, de maneira significativa, a dificuldade de enxergar à noite ou em ambientes com pouca luminosidade.


No caso das lentes intra-oculares monofocais, que utilizam o princípio da refração (direcionando os raios de luz até um ponto focal), o resultado obtido é a visão nítida apenas para uma única distância, sendo necessário o uso de lentes corretivas, como óculos, para se ter uma boa visão simultaneamente em vários ângulos.


Além das especificações acima, as LIOs podem, também, apresentar propriedades filtrantes, protegendo contra os raios UV invisíveis e os raios azuis visíveis. São lentes amarelas em que o pigmento simula a proteção natural fornecida pelo cristalino humano amadurecido. Apesar de coloridas, não alteram percepção das cores tampouco afetam de outra forma a qualidade da visão. As lentes intra-oculares amarelas ajudam, ainda, a prevenir outros tipos de doenças oculares como a Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI).