Doenças oculares

Córnea

 

TRANSPLANTE DE CÓRNEA

A córnea é uma estrutura de superfície regular, transparente, avascular (não possui vasos sanguíneos) e possui três camadas principais: o epitélio (camada mais externa), o estroma (camada intermediária) e o endotélio (camada mais interna). Sua principal função é refrativa, ou seja, os raios luminosos passam pela córnea desviando em direção a retina (fundo de olho).


Quando a córnea perde sua transparência ou sua superfície torna-se irregular, perde-se a capacidade de desviar os raios luminosos para a retina, desta forma torna-se necessário substituir a córnea doente por uma córnea saudável (transparente).


Diversas são as causas de perda da transparência corneana, dentre elas destacam-se a distrofia endotelial de Fuchs, ceratites bacterianas, ceratopatia bolhosa e leucomas. Quando a superfície da córnea torna-se irregular a visão fica prejudicada pelo embaçamento e distorção das imagens, nesse grupo destacam-se o ceratocone e os grandes traumatismos.


O transplante de córnea consiste em substituir a córnea opaca (perda da transparência) ou com superfície irregular por uma córnea doadora transparente e regular.


Existem três tipos de transplante de córnea: penetrante, lamelar ou endotelial. O tipo de transplante escolhido depende da doença corneana de base.


O transplante penetrante é o mais antigo e consiste em substituir as três camadas (epitélio, estroma e endotélio), aumentando a chance de infecção, hemorragia expulsiva (sangramento) e rejeição (perda da transparência da córnea doadora).


Mais recentemente foram desenvolvidas novas técnicas de transplante, onde é substituído somente uma ou duas camadas da córnea diminuindo o risco de infecção, hemorragia e rejeição.


No transplante lamelar substitui-se apenas o epitélio e o estroma, preservando o endotélio do paciente e no transplante endotelial substitui-se apenas o endotélio doente preservando o estroma e epitélio do paciente.


Um transplante de córnea bem sucedido restaura a transparência e a regularidade da córnea restaurando assim, a visão do paciente.